domingo, 3 de junho de 2018

Medicina Tradicional Chinesa

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) também conhecida como medicina chinesa (em chinês: Zhõngyí xué, ou Zhõngao xué), é a denominação usualmente dada ao conjunto de práticas de Medicina Tradicional em uso na China, desenvolvidas ao longo dos milhares de anos da sua história.    A Medicina Chinesa originou-se ao longo do Rio Amarelo, tendo formado a sua estrutura acadêmica há muito tempo. Ao longo dos séculos, passou por muitas inovações em diferentes dinastias, tendo formado muitos médicos famosos e diferentes escolas. É considerada uma das mais antigas formas de Medicina Oriental, termo que engloba também as outras medicinas da Ásia, tais como os sistemas médicos tradicionais do Japão, Coreia, do Tibete, da Mongólia e da Índia.


A Medicina Chinesa (MTC) fundamenta-se numa estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza filosófica. Tendo como base o reconhecimento das leis fundamentais que governam o funcionamento do organismo humano, e sua interação com o ambiente segundo os ciclos da natureza, procura aplicar esta abordagem tanto ao tratamento das doenças quanto á manutenção da saúde através de diversos métodos. Inscrições em ossos e carapaças de tartarugas das dinastias Yin e Shang, há 3.000 anos evidenciam registos medicinais, sanitários e uma dezena de doenças. Segundo registos da dinastia Zhou existiam métodos de diagnósticos tais como: a observação facial, a audição da voz, questionamento sobre eventuais sintomas, tomada dos pulsos para observação dos Zang-fu (órgãos e vísceras), assim como indicações para tratamentos terapêuticos como a acupunctura ou cirurgias. Já por essas épocas incluía nos seus princípios o estudo do Yin-Yang, a teoria dos cinco elementos e do sistema de circulação da energia pelos Meridianos do corpo humano, princípios esses que foram refinados através dos séculos seguintes. Nas dinastias Qin e Han haviam sido publicadas obras como “Cânone da Medicina Interna do Imperador Amarelo” (Huangdineijing) considerada atualmente como a obra de referência da medicina chinesa.

Existem muitas obras médicas clássicas famosas que nos chegaram do passado: “Cânone sobre Doenças Complicadas”, “Sobre diversas doenças e a febre Tifóide”, “Sobre a Patologia de Distintas Doenças”, etc. O “código das Fontes Medicinas do Agricultor Divino” é a mais famosa e antiga obra sobre fármacos na China. Uma delas destaca-se pela sua importância o “Compêndio das Fontes Medicinais”, em 30 volumes escrita por Li Shizhen, da dinastia Ming, é a mais importante na história da China, e obra de referência a nível mundial na área da fitoterapia.

 


A acupuntura conhece reformas importantes na dinastia Song (960 a.C – 1279 a.C) impulsionadas principalmente pelo médico Wang Weiyi que publicou “Acupunctura e os pontos do Corpo Humano”. Moldando duas estátuas em bronze do corpo humano a fim de ensinar aos seus alunos as técnicas da acupunctura, acelerando assim o seu desenvolvimento. No século XX, Mao Tze Tung, oficializou o ensino da Medicina Chinesa a nível universitário e a sua divulgação por toda a china, criando-se muitas universidades e hospitais para a prática da medicina chinesa, considerada na altura um recurso valioso e acessível para a saúde publica.



Atualmente são oito os principais métodos de tratamento da Medicina Tradicional Chinesa:

1.Fitoterapia chinesa (fármacos)
2.Acupuntura
3.Tuina ou Tui Ná (massagem e osteopatia chinesa)
4.Dietoterapia (terapia alimentar chinesa)
5.Auriculoterapia (tratamento pela orelha)
6.Moxabustão
7.Ventosaterapia
8.Práticas físicas (exercícios integrados de respiração e circulação de energia, e meditação como: Chi Kung, o Tai Chi Chuan e algumas artes marciais) consideradas métodos profiláticos para a manutenção da saúde ou formas de intervenção para recuperá-la.


   O Diagnóstico na Medicina Tradicional Chinesa (MTC) é a herança deixada pelos antigos médicos chineses, que através dos tempos foram melhorando a anamnese, ultrapassando algumas dificuldades e legando o seu saber ás gerações vindouras. O diagnóstico da Medicina Chinesa, embora aparentemente simples, é muito eficaz – as observações a serem feitas incluem observar, ouvir, cheirar, perguntar e tocar, destacam-se no diagnóstico a observação da língua e o exame do pulso, prática esta que demoram alguns anos a ser completamente dominado pelo especialista em MTC mas que fornecem informações preciosas e exatas sobre a condição de saúde do paciente.


sexta-feira, 1 de junho de 2018

Aniversariantes de Junho 2018



01-Elazir Angélica Veras Silva
09-Jaciara de Miranda Lopes
11-Ivan Bandeira de Souza   
14- Cezar Marino Costa
18-Maria Lúcia Junior de Souza
19-Professor Sidclei de Almeida
21-Magnólia Oliveira
24- Joana Teixeira  Pessanha

               生日快樂
         Feliz Aniversário!
São os votos da Família Taichirajá!

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Café da Manhã da Amizade

❝ ... uma nova semana ... e a novas oportunidades florescem com este amanhecer abençoado ... receba com fé e otimismo seus dias ... agradecendo por cada alegria ... cada gesto de amizade e carinho recebido ... que juntos possamos seguir sempre em comunhão com os propósitos divinos ... semeando o bem e a paz que habitam nossa alma ... 
Obrigada D. Geny , Alba e Taichirajá Amigosdotaichi por momentos tão especiais.




 


 

 

Café da Manhã no PROVER de Irajá


Uma ótima oportunidade de fazer novos amigos e rever antigos também, como nossa querida vereadora Rosa Fernandes.Tivemos a oportunidade de mostrar um pouquinho da tai chi chuan que estamos sempre aprendendo e também divulgando essa arte que muito beneficia a concentração e o trabalho de respiração e energia, por isso, dedicar alguns minutos de respiração suave antes dos movimentos pode ajudar você a relaxar a mente e ainda mobilizar a energia de todo corpo.



 






 Nossa querida Vereadora Rosa Fernandes e a aluna de D. Geny de 93 anos.

 Nossa querida Vereadora Rosa Fernandes



terça-feira, 29 de maio de 2018

TODA A FILOSOFIA POR TRÁS DO TAI CHI


Há mil e uma lendas sobre a origem, os mestres e os preceitos do tai chi. Renda-se a esse fascinante universo de fábulas!
Entre a garça e a serpente

A mais tradicional história sobre a criação do tai chi chuan se passa em um monastério taoísta, na montanha sagrada de Wudang. Conta-se que o sábio Chang Sang Feng estava meditando, quando foi interrompido por um barulho que vinha do jardim. Ao abrir a janela, ele se deparou com uma luta entre uma garça e uma serpente. Durante horas, observou o embate, em que o pássaro atacava a cobra com dureza, e esta se esquivava dos golpes com leveza e flexibilidade, aproveitando para contra-atacar nos momentos de nervosismo do inimigo. Quando a serpente se distraia, era a vez da garça direcionar sua força para atingi-la. O confronto não teve vencedor, mas o sábio enxergou ali os princípios do yin e do yang, as energias opostas que regem o universo. Desse insight, surgiu a inspiração para criar o tai chi, a arte marcial que equilibra a energia (chi) do praticante por meio do equilíbrio em movimento de suas forças negativas (yin) e positivas (yang).

 Sem vaidade

Logo que começou a frequentar aulas do mestre Wang Tsing, um discípulo curioso perguntou a ele por que o tai chi não utiliza o sistema de faixas coloridas que indicam o grau de aprendizagem do praticante, tão comum nas outras artes marciais. "Qual é o sentido de andar por aí com um cinturão, expondo a todos o que você sabe?", questionou Wang. "Um bom guerreiro sabe que a vaidade não deve estar no topo de suas prioridades".

Treinamento valioso

Certa vez, o guerreiro Ki Siao-Tzu foi encarregado de adestrar um galo de briga para o rei. Uma semana depois, o monarca perguntou: ‘Meu galo está pronto para o combate?’. Siao-Tzu respondeu: "Ainda não, ele é vaidoso e arrogante". Mais uma semana passou, o rei repetiu a pergunta e ouviu a resposta: "Ainda não, ele reage a cada sombra ou ruído como se fosse uma provocação pessoal". Um tempo depois, a questão voltou à tona. "Nada ainda. Ele ainda tem o olhar irritado e um ar de triunfo", informou Siao-Tzu. Ao fim de três meses, quando o governante reiterou seu interesse em saber se o galo estava pronto para a briga, ouviu a seguinte notícia do treinador: "Ele está quase pronto. Quando os outros galos cantam, isso não o incomoda em nada. Quando se olha para ele, parece que se vê um galo de madeira. Seu chi é perfeito, ou seja, sua força interior é perfeita". Quando, finalmente, foi colocado em uma rinha, os outros galos não ousavam sequer aproximar-se dele.
 Vida longa
Chang Sang Feng é, até hoje, venerado na China. Famílias taoístas transmitem as proezas do sábio de geração em geração. Há quem acredite que ele recebeu todos os seus ensinamentos em sonho e, também, quem garanta que ele descobriu o segredo do rejuvenescimento e viveu mais de 300 anos.

O inventor da prática

Outro mito da origem do tai chi conta que o inventor da prática – ou, pelo menos, de um de seus principais estilos – foi um velho general chamado Chen Wangting. Decepcionado com suas tropas depois de uma derrota no campo de batalha, ele se retirou em uma floresta para meditar. Lá, observou a flexibilidade dos animais e, comparando-a com a rigidez dos treinos militares a que estava acostumado, entendeu os principais defeitos de sua estratégia. Assim, desenvolveu o novo sistema, com posturas e movimentos inspirados em sua observação da natureza.

Apoio e equilíbrio

Yang Lu Chan, mestre do estilo Yang, exibiu sua sabedoria a um grupo de lutadores do templo Shaolin por meio de uma metáfora interessante. Com notável habilidade, ele apanhou um pardal no ar, colocou-o em sua mão esquerda e o cobriu suavemente com a mão direita. O pássaro tentava voar, mas era impossível, já que para isso ele precisaria primeiro ganhar impulso aplicando força sobre uma base com os pés – e essa base era inexistente, pois Lu Chan abaixava com delicadeza a mão esquerda a cada nova tentativa do pardal de levantar voo. Sorrindo, ele explicou aos lutadores: "Sem apoio e equilíbrio, ninguém vai a lugar algum".
 Fonte: http://www.triada.com.br/